28 julho 2011

Paixões: cultive-as.

Depois de um tempo no limbo (como diria uma amiga, haha) e meio triste (pra quem costuma ler os textos do blog, perdi uma gatinha muito querida esses dias, tive até febre) resolvi falar de algo que é raro eu cultivar nesses últimos tempos: paixão.

Não, não estou falando de namorico ou algo do tipo. Mas fuxicando o blog da Ariane (o Duzentos e Vinte), uma menininha de 14 anos (não entenda o "menininha" como algo pejorativo, caso leia), relembrei de algo que eu gosto muito, o ballet!

Quando tinha uns 7 anos, minha mãe me colocou em uma escola famosa (e cara) aqui na cidade que oferecia cursos profissionalizantes, inclusive (conveniada ao Royal Ballet de Londres). Fiz 2 anos a mesma "série" pois era muito nova ainda - a idade ideal para o curso profissionalizante era de 8 anos. Mas por erros estratégicos dos meus pais (grrr) não pude fazer a prova no final daquele ano de 1988. Inventaram de viajar pro litoral paulista por umas 2 semanas. Claro, como era criança na época, nem me dei conta exatamente do que perdi (e lembro que passei mal horrores durante o trajeto de ônibus).

Quando voltamos fui matriculada em uma outra "escola", só que era dentro de um clube que tinha academia, ginástica etc. Então não era bem uma AULA de ballet. Mas enfim... Acho que fiz até um pouquinho depois que entrei na puberdade. E aí houve um hiato imeeenso na dança. Lá pelos 12/13 anos fiz um tempo de natação e no mais, só joguinhos de vôlei ou basquete em casa mesmo (porque na escola eu era a famosa "reserva" ou última opção nos times).

Aos 25 anos, voltei (agora deu pra entender o "hiato imenso", né?) e me perguntei PORQUE havia parado com as aulas! Nossa, faz muito bem. Não só pelo lado estético da coisa, claro - embora isso tenha sido fundamental. Em apenas 2 meses de aulas (2x por semana), parte interna da coxa virou uma rocha; o alongamento melhorou, emagreci bastante! E como consequência a nossa autoestima aumenta.
E também é uma atividade artística, além de tudo! Alguns exercícios me deixavam "quebrada" por uns 2 ou 3 dias, mas na hora em que fazia, nem parecia que estava praticando exercício físico - como acontece na academia, por exemplo. Convenhamos que é um saco ficar lá "puxando ferro" olhando pra parede, ouvir papo furado etc...


Sabem o que é feio? As pessoas acharem que ballet é coisa de criança, que você é "velha demais" pra isso. E infelizmente ouvi coisas do tipo de gente que não é ignorante ou analfabeto. Queria ver esse povo tentando se equilibrar em cima de uma ponta ou fazendo um fouetté. Humpf.

Bom, a parte ruim é que aulas de ballet para adultos não tem em todo lugar. Minha ex-professora casou e parou de dar aulas (desgraçada! :P). Agora é uma via crucis encontrar uma pessoa qualificada que dê aulas para adultos por um preço bacana :(

Quem sabe mais dia, menos dia eu encontre? Porque a paixão ainda vive, escondidinha, mas vive (e eu ainda tenho meu collant e sapatilha de ponta por aqui).



Imagem copiada do endereço Coisas de Maria.

Um comentário:

  1. Eita, tinha me esquecido! Tu gostava mesmo. Não sabia que era tão complicado encontrar professores de ballet pra adultos. Pena que nunca tive físico pra embarcar numa dessas, imagina eu criança fazendo ballet hahaha. Em compensação, ando numa paixão incrível pela minha cama, mas até nisso tá difícil investir =D

    ResponderExcluir

Sintam-se a vontade para comentar! Sua opinião é muito importante e faz o blog melhorar.

Ocorreu um erro neste gadget