06 junho 2012

Right Here Waiting


Na escola havia um guri chamado Wilson, que todas as minhas coleguinhas de classe achavam bonito e gostavam dele (gostavam daquela maneira que as crianças gostavam naquela época, lá pelos 8, 9, 10 anos).
Então, influenciada pelas gurias, passei a observá-lo de longe, e acabei gostando dele também (e também de forma platônica, como as outras).

No aniversário de 10 anos de uma coleguinha (Luciana), os mais velhos queriam organizar um bailinho com as crianças, colocá-las para dançar e interagir. Obviamente fugi dali antes que me impusessem um par, mas fiquei de fora observando. E a primeira música que tocaram (ou não foi a primeira, mas ficou gravada em minha mente) foi essa do Richard Marx, Right Here Waiting.

Lembro que gostei do guri até a 6ª série (1992) e segui assim até o ano seguinte, quando o tal Wilson já havia se mudado de escola. Detalhe desnecessário, só para constatar que sou do tipo loser mesmo.

Passei anos ouvindo com muita emoção (!) essa música quando tocava nas rádios, no meu disco de vinil da novela "Top Model" (da rede Globo)... Ficava horas sonhando como seria se eu fosse a guria mais bonita da sala (eu era bem o contrário) e tivesse chances com ele, essas coisas idiotas assim. E sofria, ah! como sofria! Anos de amor platônico e de masoquismo real, haha.

Então, não sei porque raios me partam, encafifei na cabeça a ideia de que "o" cara, meu "príncipe encantado" seria aquele com quem, um dia, dançasse essa música.
Quando ouvi sem querer essa canção hoje, me peguei aterrorizada com esse pensamento insano.
Eu, hein? Acho que saio correndo! (vai que...).

Porém , apesar das bizarrices, não consigo não recordar daquela época com uma certa nostalgia...


ATUALIZAÇÃO: Depois de uns minutos me recordo claramente de que hoje é aniversário da criatura!!! (do guri dos meus delírios platônicos). É muita loucura pra uma pessoa só!

10 comentários:

  1. Eu que o diga! Anos de terror: "Thays, de quem você gosta na sala? -hihi", só pra vc se sentir segura pra falar sobre seu amor platônico.

    ResponderExcluir
  2. HAEUHUEAUHEHU. Irmãos mais novos são pra isso, oras! (cof, cof).

    ResponderExcluir
  3. É... to vendo!
    E eu no ápice dos meus 6 anos dizia que não gostava de ninguém e vc insistia dizendo que eu tava mentindo, que não queria contar, até eu dizer um nome aleatório só pra ouvir vc contar de quem vc gostava! hahaa

    ResponderExcluir
  4. Te ensinei a ser SOLIDÁRIA, minha irmã! Se não fosse eu...

    ResponderExcluir
  5. CARA!!! Hoje (dia 6/6) é aniversário do guri!!! Lembro até hoje! Coincidência BIZARRÍSSIMA!!!

    ResponderExcluir
  6. AH QUE COINCIDÊNCIA!
    SEI! APOSTO QUE TÁ STALKEANDO O INFELIZ!

    ResponderExcluir
  7. É sério =x
    Você sabe que eu me lembro até do sobrenome do povo com quem estudei na 2ª série! (escrevia mil vezes a lista da chamada pra uma desculpa pra escrever o nome do infeliz sem passar vergonha. CONFESSEI!).

    ResponderExcluir
  8. hahahhah
    bah guriaaa que história loucaaaa

    adoreeeeeei
    conta mais coisas pra gente hahaha
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi, Docinho!

    Caramba... eu tb tive uma paixão platônica dessas, mas eu já era uma adolescente. O carinha era meu amigo, ficava com outras meninas na minha frente (tadinho, ele não sabia). Fiquei 1 ano inteeeiro apaixonada até que eu tive um surto de crescimento, "tomei corpo" e um monte de carinhas começaram a querer ficar comigo. Ele continuou sendo meu amigo e o meu primeiro namorado foi um amigo dele. O filho da mãe se encheu, não teve coragem e terminar comigo. Adivinha quem ficou com o serviço sujo? Siiim, minha ex-paixão. Foi engraçado pq ele tava morrendo de medo de mim. kkk Mas não deu nada. A gente terminou, mesmo sem nunca termos ficado juntos e rimos à beça. Tão bom relembrar essas coisas. ^^
    Obrigada pelo momento nostalgia. =)

    Beijinhos e ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir

Sintam-se a vontade para comentar! Sua opinião é muito importante e faz o blog melhorar.

Ocorreu um erro neste gadget